Blog / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Sem categoria

Brasil de Dilma não pode ser considerado um país sério, pelo critério do próprio Lula

lula

A Standard & Poor’s rebaixou o Brasil para “junk”, com perspectiva negativa. Não somos mais um país com grau de investimento, segundo a principal agência de risco do mundo. O que isso significa? Já expliquei isso aqui, mas agora vamos usar as palavras do próprio ex-presidente Lula para compreender ainda melhor, já que ele tem o dom de simplificar as coisas.

Afinal, foi em 2008, durante sua gestão, que o Brasil recebeu o tal grau de investimento pela S&P. A reação de Lula, à época, mostra o que ele entendia sobre a importância dessa classificação. Disse ele, em Maceió, na ocasião:

“Eu não sei nem falar direito essa palavra (investment grade), mas, se a gente for traduzir isso para uma linguagem que os brasileiros entendam, o Brasil foi declarado um país sério, que tem políticas sérias, que cuida das suas finanças com seriedade e que, por isso, passamos a ser merecedores de uma confiança internacional que há muito tempo o país necessitava”.

Não é preciso ser um gênio, então, para entender o que o ex-presidente Lula deve pensar do Brasil de hoje, sob o comando de Dilma, sua criatura, e do seu PT. O Brasil, agora, não pode ser visto como um país sério, que tem políticas sérias, que cuida de suas finanças com seriedade. Por isso não merecemos mais a confiança internacional de que necessitamos.

O Brasil de Dilma não é um país sério. E quem diz isso não sou eu, não é um “coxinha” qualquer, não é um tucano da oposição “golpista”, mas sim o próprio ex-presidente Lula. Basta usar os seus critérios para compreender o que o rebaixamento pela S&P representa.

Rodrigo Constantino

Sobre / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

<
<

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito