Blog / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

É possível afirmar que a tirania de Fidel foi um desastre econômico em Cuba?

0

blog

Por Roberto Ellery, publicado pelo Instituto Liberal

Avaliar números de países controlados por tiranos não é tarefa simples. Os dados oficias costumam ser inúteis pois são manipulados pelos lacaios dos tiranos, os dados de organismos internacionais também são suspeitos pois a convivência diplomática faz com que tais organismos sejam coniventes com as verdades oficiais. Porém, para registrar a morte do maior tirano da América Latina, resolvi correr o risco e comentar o desempenho do PIB per capita de Cuba desde a tomada de poder por Fidel e seus guerrilheiros.

Como é bem conhecido na virada do ano de 1958 para 1959 o Movimento 26 de Julho, liderado por Fidel Castro, tirou do poder o ditador Fulgencio Batista que, como tantos outros ditadores destas bandas, primeiro foi eleito e depois resolveu tomar o poder à força. A resistência durou pouco, nas primeiras horas de 1959 Batista fugiu para República Dominicana, no dia oito de janeiro os guerrilheiros já controlavam Havana. Como era Cuba antes daquele réveillon? O que aconteceu depois.

Vou tentar responder o que aconteceu com o PIB per capita disponível na base de dados do Projeto Maddison (link aqui), uma base que costuma ser usada por quem estuda história econômica. Selecionei todos os países da América Latina com exceção de Porto Rico e Trinidade e Tobago, o primeiro por ser praticamente um território dos EUA e o segundo por ser muito pequeno e distorcer a amostra. A figura abaixo mostra a taxa de crescimento do PIB per capita de todos os países selecionados usando como base de comparação e média 1954-58 e 2004-08.

cuba1

Como pode ser visto o crescimento de Cuba foi medíocre quando comparado ao dos outros países da amostra, de fato, apenas Venezuela, Nicarágua e Haiti cresceram menos que Cuba. A lista dos países que cresceram menos que Cuba dispensa explicações. Repare que a figura revela uma ironia do destino: a República Dominicana, país para onde fugiu o ditador cubano, foi o que mais cresceu dentre os países da amostra. Na época da revolução cubana a República Dominicana era mais pobre do que Cuba e também era governada por um ditador, no caso Rafael Trujillo que governou o país de 1930 a 1961.

A figura abaixo mostra o PIB per capita médio entre 1954 e 1958 dos países selecionados. Repare que no período anterior a revolução cubana, mesmo com a ditadura de Fulgencio Batista, Cuba tinha a nona maior renda per capita dentre os vinte países da amostra, inclusive era mais rica que o Brasil e muito mais rica que a República Dominicana.

cuba2

Passados cinquenta anos, se olharmos o PIB per capita médio do período 2004 a 2008 (último ano com dados para Cuba na base de dados utilizada), Cuba tinha caído para a décima quarta posição. Como pode ser visto na figura abaixo Cuba ficou para trás de países como Brasil, Guatemala, Panamá, e, quem diria, da República Dominicana. Será que se Fulgencio Batista tivesse derrotado Fidel os cubanos teriam seguido o caminho da República Dominicana seguiu com Trujillo e hoje estariam em um dos países mais ricos da América Latina? Difícil dizer…

cuba3

Naturalmente o desastre econômico de Cuba é pelo menos parcialmente explicado pela reação da comunidade internacional e especialmente dos EUA à revolução, mas esta reação é mais uma consequência da própria revolução e do caminho seguido pelos governantes da ilha. Uma das reações que, creio eu, foi importante para selar o destino da economia cubana foi o embargo impostos pelos EUA. Dito isso registro que apontar o embargo como uma das causas do fracasso da economia cubana implica em negar uma das teses mais caras aos revolucionários (e muitos não revolucionários) da América Latina, qual seja: que o comércio internacional é prejudicial para as economias do continente. Mais uma vez cabe lembrar da República Dominicana, longe de ser uma potência industrial, a valer as teses contra o comércio, o país deveria ser um grande perdedor com as “trocas injustas impostas pelos países ricos aos países pobres”, os dados deixam parecer que os “explorados” da República Dominicana se saíram muito melhor que os não explorados de Cuba. O mesmo vale para vários outros países de nuestra América.

Comparações em intervalos de cinquenta anos, como as que fiz acima, são úteis para observar efeitos de longo prazo, mas não contam o que aconteceu no meio do período. Para tratar desta questão comparei o desempenho do PIB per capita de Cuba com a de alguns países selecionados. Começo com os dois imediatamente abaixo de Cuba no ranking de PIB per capita dos anos 1954-58: Panamá e Guatemala. Ambos tiveram melhor sorte que Cuba. O PIB per capita do Panamá, mesmo na crise da década 1980, período terrível para América Latina, ficou consideravelmente acima de Cuba. Na Guatemala a crise da década de 1980 ameaçou tornar o país tão pobre quanto Cuba, mas o país se recuperou e Cuba sofreu com o fim da URSS. Aliás é curioso como a revolução que tornaria Cuba independente dos “imperialistas americanos do norte” tornou Cuba dependente do império soviético. Por falar nisso repare aquele crescimento impressionante no começo do século XXI em Cuba, se eu fosse chato diria que decorreu do Chavismo e, quem diria, do boom das commodities que, mesmo com o embargo, beneficiou Cuba.

cuba5cuba4

As próximas comparações são com os países que estavam imediatamente acima de Cuba no ranking de PIB per capita do período 1954-58: Colômbia e Costa Rica. Tanto a Colômbia quanto a Costa Rica tiveram desempenho visivelmente superior ao de Cuba. No caso da Costa Rica os cinquenta anos fizeram com que os costa-riquenhos tivessem uma renda média que é mais que o dobro da dos cubanos. Já a Colômbia, mesmo tendo de enfrentar os carteis do tráfico, guerrilhas e grupos paramilitares, conseguiu uma renda média cerca de 80% maior que a dos cubanos. Ao que parece uma guerrilha no poder é bem mais danosa para a economia do que uma guerrilha tentando tomar o poder.

cuba6

Para não dizer que esqueci o Brasil a figura abaixo compara o PIB per capita brasileiro com o de Cuba. Em 1958, último ano antes da revolução cubano, tínhamos uma renda média menor que a de Cuba, hoje nossa renda média é o dobro da dos cubanos. Sim, isso mesmo, mesmo com tipos estranhos como Jânio, um golpe seguido de uma ditadura, Sarney, Collor, FHC e Lula crescemos muito mais que os cubanos com o regime de Fidel. Como a amostra termina em 2008 não tem o efeito de Dilma, ela bem que tentou diminuir nossa diferença para Cuba, sem sucesso.

cuba8

Agora a cereja do bolo. Lembra da República Dominicana? O país para onde fugiu Fulgencio Batista? O país que foi vítima de Trujjilo? Que como outros da América Latina passou por severas instabilidades na segunda metade do século XX? Que era mais pobre do que Cuba? Do país explorado pelo comércio internacional? A figura abaixo compara o desempenho do PIB per capita na República Dominicana e em Cuba. Melhor não falara nada.

cuba9

É difícil não classificar a tirania de Castro como um desastre econômico. Se não fosse trágica seria uma coleção de ironias. Da revolução que prometia tornar Cuba independente e acabou tornando a ilha completamente dependente da União Soviética até o embargo que pode explicar parte do fracasso econômico dos guerrilheiros ao custo de sacrificar a base da “teoria econômica” que anima revolucionários que se inspiram em Fidel e sua turma.

Sobre / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito