Blog / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Sem categoria

O problema nos planos de saúde é a intervenção estatal, não o livre mercado

E impressionante como um mesmo fato pode gerar explicações tão contrárias. O fato em questão é a situação crítica dos planos de saúde no Brasil, que custam cada vez mais sem necessariamente atender aos interesses de seus clientes.

As explicações contrárias são a da ótica liberal, que culpa o excesso de intervenção estatal no setor, e a da ótica esquerdista, que culpa a “mão invisível” do livre mercado. Qual, meu Deus?

Foi o caso de um vereador do PSOL, Paulo Pinheiro, que publicou um texto no GLOBO hoje condenando o mercado pelos males dos planos de saúde. Para ele, o mercado não tem cura. Escreve, como conclusão:

IMG_0056

Curioso ler isso justo num país em que o estado se mete em tudo, e não seria diferente no setor de saúde. Não sei como o vereador socialista consegue enxergar essa mão invisível do mercado cuidando do setor de plano de saúde. Não por ela ser invisível, e sim por ela não existir no Brasil, cuja mão visível e pegajosa do governo controla tudo!

Em um texto meu de 2013, ainda no antigo blog pessoal, já condenava esse excesso de intervenção estatal pelos problemas nos planos de saúde. Eis os argumentos então apresentados:

Seguro – Quando fazemos um seguro de casa ou automóvel, qual é a nossa ideia? Não utilizá-lo! Ele serve justamente contra sinistros, contra catástrofes importantes. Mas ninguém faz um seguro de automóvel para manutenção mensal, para troca de óleo, para gastos esperados no dia a dia de quem possui um carro. Essa era a ideia original de um seguro de saúde. Pagamos para o caso de uma emergência. Só que hoje, por regras do governo, um plano de saúde cobre todo tipo de consulta básica, de rotina, do cotidiano. É óbvio que isso criou distorções enormes no setor. Imagina se os seguros de carro tivessem que cobrir qualquer visita ao mecânico, por qualquer probleminha ou suspeita de problema. Esse seguro tenderia a encarecer, cada vez mais, e os usuários teriam um incentivo de abusar dele. Um simples barulhinho? Seguro! E, com o passar do tempo, ele ficaria absurdamente caro, inviabilizando o serviço para indivíduos mais humildes, até porque quem pagaria o grosso seriam as empresas. E, na PJ (pessoa jurídica), sabemos que há menos cuidado ainda por parte dos trabalhadores no uso adequado do serviço. Logo, o “seguro” de saúde passa a ser incorporado no salário, de forma indireta, e seu uso passa a ser relaxado, desleixado, o que só aumenta seu preço. Um sistema perfeito para grandes grupos seguradores, que monopolizam o mercado;

Discriminação – Na era do politicamente correto, é proibido discriminar, seja por sexo, idade, gênero, o que for. Só que seguros trabalham com estatística, com grandes números. Claro que um jovem tem mais probabilidade de causar um acidente de carro do que um adulto. Claro que um idoso tem mais chance de ficar doente e precisar de recursos da medicina do que um jovem. Enfim, gerir um plano de saúde é discriminar com base em grupos, categorias, classes comportamentais. Só que isso é cada vez mais difícil, pois o governo não permite. Quando as empresas são obrigadas a tratar todos iguais, e ainda por cima oferecer inúmeros itens por obrigação estatal, claro que elas vão cortar por cima, ou seja, vão cobrir os piores perfis como se fossem a média. Se alguém quiser fazer um plano específico mais barato, sem tantas coberturas, e tiver um perfil menos arriscado, ele simplesmente não será capaz disso! O governo obriga as empresas a colocá-lo em um pacote mais amplo, que abrange muito mais coisa e um perfil mais arriscado. Resultado: o plano não atenderá sua demanda específica.

Em resumo, esse é um setor que sofre demasiada intervenção estatal. Aquilo que era para ser um produto como outro qualquer no mercado, passou a ser ultra-regulado. Imaginem se a venda de alimentos fosse feita dessa forma, tendo que atender a um enorme grupo geral, sem nichos específicos, sem demanda e oferta caso a caso. Como seria? Sem dúvida não haveria a mesma quantidade enorme de produtos, para todos os gostos e bolsos. Pois é. E ainda reclamam que praticamente não há mais planos de saúde individuais. Por que será?

Pois é. E por que será que a esquerda se mostra incapaz de aprender com seus erros passados, sempre demandando mais regulação estatal para males criados pelo excesso de intervenção estatal? Esses socialistas não conseguem analisar fatos, pois só enxergam ideologia, e o mercado precisa ser sempre o culpado. Mas deixem a “mão invisível” fora disso. Ela não é invisível nesse caso; ela é inexistente!

Rodrigo Constantino

Sobre / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

<
<

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito