Blog / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

O socialismo e o amor ao pobre

blog

Por João Cesar de Melo, publicado pelo Instituto Liberal

A burguesia socialista não ama o pobre. A burguesia socialista ama a pobreza do indivíduo. Deseja e cobra que o Estado e que a sociedade ofereçam dignidade ao pobre, porém, não aceita que o indivíduo se liberte da pobreza e se torne independente; repudia a possibilidade do pobre se tornar um agente capitalista e acabar se tornando seu vizinho. Em sua perversão ideológica, ignora que o desejo do pobre é fazer parte do sistema capitalista, ser patrão, ficar rico para poder comprar o que quiser e na quantidade que desejar, viver num bairro nobre e fazer compras em Miami.

O burguês socialista adora viajar para as praias nordestinas onde a cerveja, a comida, a maconha e a pousadinha na praia são quase de graça. Ele pode pagar muito mais por tudo o que consome no paraíso, mas faz questão de pagar pouco. De vez em quando até dá uma gorjeta, mas sempre em tom de esmola.

O burguês socialista ama o povão, mas fica feliz mesmo é com uma praia deserta, só para ele.

O burguês socialista passa uma ou duas semanas em alguma vila miseravelmente paradisíaca tecendo longas poesias sobre a pobreza ao redor. “Quanta dignidade!”, não cansam de exclamar. Sim… todos eles querem que aquele bichinho (o pobre) tenha um pouco mais de conforto – um banheiro melhor, um posto de saúde melhor, uma escola melhor… – mas nada além disso. Asfaltamento da estrada que leva ao paraíso? Nunca! A construção de uma fábrica? Jamaix! O burguês socialista não admite que nada ameace acabar com pobreza daqueles que lhe servem tão bem, por tão pouco. Não quer saber das dificuldades dos dias de chuva, quando estradas de terra são interditadas. Não quer saber da falta de opções de trabalho. Não quer saber da baixa renda da população. O burguês socialista quer ter a certeza de que todos os anos encontrará aquela vila de pescadores do mesmo jeito, com sua economia resumida à meia dúzia de quitandas, pousadas e botecos, com a metade da população sobrevivendo à custa do governo e com a outra metade trabalhando duro para oferecer peixe fresco e barato para os turistas.

O burguês socialista se posiciona contra a construção de resorts simplesmente porque cada resort remete à sua própria vida burguesa, burguesíssima! O quarto do hotel é igual ao seu quarto!

Auge de uma aventura entre os pobres: ser convidado por uma Dona Maria qualquer a tomar um cafezinho em seu barraco, comendo aquela broa de milho que ele nunca compraria se fosse vendida na padaria da rua onde mora.

Apesar de gostarem mesmo é de gastar dinheiro na Europa esnobe e liberal, o burguês socialista também vai, de vez em quando, a paraísos de pobreza mais distantes como Bolívia e Índia, onde repetem os mesmos suspiros de prazer diante da pobreza dos outros. Assim como muitos muçulmanos sentem-se obrigados a ir a Meca pelo menos uma vez na vida, alguns representantes da esquerda caviar vão à Cuba sentir os ares socialistas, mas sempre voltam rapidinho para o conforto capitalista.

De volta a sua cidade, o burguês socialista junta os amigos num bar bacana para esnobar o quanto “se deu bem” nas férias. Saboreando maravilhosas cervejas importadas, relembra das cervejas vagabundas que tomou junto com pobres num boteco. Para comprovar, tira seu Iphone do bolso e mostra as fotos: o lugar lindo, as coisas baratas e as pessoas… Pessoas humildes! O burguês socialista ama a humildade alheia.

O burguês socialista também ama a cultura popular, desde que seus artistas não se libertem da pobreza. Sua perversão ideológica cobra que o artista popular passe a vida na favela, morando no mesmo barraco, vestindo as mesmas roupas, pegando os mesmos ônibus lotados. O burguês socialista ama o samba e odeia pagode. O burguês socialista respeita o gosto do povo, menos seu interesse por novela, por programa de auditório, por programa de fofoca e de comédia da… Rede Globo, claro. “Artista vendido”, é como se refere a todos os artistas que permitem a divulgação de seus trabalhos em programas de televisão. As exceções: artistas que, mesmo sob os confortos e sob as mídias capitalistas, adotam discursos socialistas e que manifestam apoio a partidos de esquerda.

O burguês socialista também apoia os movimentos de afirmação afrodescendente. Ele até transa com uma ou outra neguinha de vez em quando, mas por puro fetiche. Sua masturbação cotidiana é pelas eslavas dos sites pornôs americanos; e só se junta com branquinhas, tão burguesas quanto, claro – ou alguém já viu algum burguês socialista se casando com favelada e indo morar na favela?

A burguesia socialista carioca é a que, de longe, melhor representa esse “amor” ao pobre. Nascidos e criados ao nível do mar da zona sul do Rio de Janeiro, enxergam as favelas penduradas nos morros ao redor como zoológicos. Cobram respeito ao favelado assim como cobramos respeito aos animais. Cobram melhoria de vida para os favelados, assim como cobramos melhores condições de cativeiro para os macacos. Agora, que algumas comunidades têm seus imóveis valorizados por causa da implantação das UPPs, a burguesia socialista carioca está preocupadíssima diante da possibilidade da… “burguesiação” do morro! Vejam que absurdo: Empresários capitalistas estão seduzindo os humildes moradores das favelas a venderem seus imóveis para transformá-los em pousadas para os gringos! “Não pode!”. Gritam. Aquela favela tem que ser preservada em toda sua pobreza. Seus moradores não podem vender seus imóveis para tentarem a vida noutro lugar. A cerveja, a maconha e a cocaína vão disparar de preço! A roda de samba, antes apreciada apenas por moradores e pela burguesia socialista, passará a contar com a presença de alemães, suecos, franceses e até de americanos! As pousadas e os bares que os gringos pretendem montar acabarão se parecendo, vejam só… com qualquer apartamento ou bar da zona sul do Rio! Que absurdo!

A cretinice ganha novos desenhos quando alguns urbanistas cobram políticas públicas que preservem as favelas como favelas, a despeito do que viram na faculdade: que as cidades são organismos mutáveis, que se constroem e se reconstroem sobre suas próprias histórias – ou alguém acha que Paris surgiu linda e chique do dia para a noite, após um estalar de dedos de um Deus bom vivant?

A verdade: Enquanto a burguesia capitalista deseja que o indivíduo saia da pobreza para poder consumir seus produtos e serviços, a burguesia socialista deseja que o indivíduo permaneça pobre por toda a vida, assim lhe servindo como a principal inspiração para suas masturbações filosóficas.

Sobre / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

<
<

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito